Restaurante #1 - Açougue Central - São Paulo

Olá a todos!

Há algum tempo criei essa aba no site, denominada "Restaurante", e até agora a mantive vazia.

Como já mencionei em outras ocasiões, eu estou sustentando esse blog em cima dos três pilares que avalio como fundamentais para um bom programa: A viagem (ou passeio) propriamente dita, descontos e gastronomia.

Inauguro, portanto, a seção de gastronomia desse blog, com um restaurante que desde o ano passado se tornou um dos meus queridinhos por um conjunto de boas características, o Açougue Central.

O restaurante, que tem como um dos sócios ninguém menos que Alex Atala, é focado em carnes, principalmente cortes menos nobres e injustamente desvalorizadas, como acém, peito, patinho, dentre outros.

O chef que comanda o Açougue Central é o Alejandro Peyrou e é possível ver seu trabalho através do vidro que separa a cozinha do salão, é reconfortante ver um estabelecimento onde o chef finaliza, testa e prova todos os pratos e temperos, mantendo assim um padrão de qualidade raro até em restaurantes que custam o dobro do preço.

AMBIENTE - 8/10

O restaurante é também um açougue, então tem um tom mais rústico e é possível visualizar uma vitrine de carnes e funcionários cortando e preparando a carne para preparo no próprio restaurante ou para venda a clientes.

O ambiente, combinado com as louças também rústicas, e a separação da cozinha com um vidro, integrando assim todo o restaurante em um só espaço, fazem com que seja um dos mais agradáveis de se estar, com boa iluminação e decoração organizada e sem exageros.

Chef Alejandro Peyrou

Cozinha

Ambiente e maître (perdão pela foto mal tirada)

Vitrine de carnes

ATENDIMENTO - 8/10

O atendimento é um ponto forte do restaurante, sempre muito rápido e bastante informal, é possível discutir os cortes com o garçom, pedir sugestões, pedir para ver a carne crua antes de escolher o prato. Um deles já foi comigo até a vitrine de carnes e explicou cada um dos cortes.

O maître também presta um ótimo atendimento, além de ajudar a ver se está tudo certo na mesa durante a refeição.

Como nem tudo são flores, talvez falte um pouco de proatividade para tirar copos que estão sobrando na mesa e também os que não estão mais em uso, mas para mim não é nada que desabone o ótimo atendimento do local.

COMIDA - 9/10

Para mim o melhor lugar para comer carne em São Paulo, isso é quão bom o restaurante é para mim.

Por que nota 9 então? Por que falta um pouco nos acompanhamentos, não estão no mesmo nível das carnes. Por exemplo, é a melhor carne, mas é fácil encontrar uma farofa melhor por aí.

Outro ponto negativo é a sobremesa, da última vez pedi um tarte tartin e foi impossível terminar de tão doce e enjoativo. Isso justificaria uma nota menor, mas como não encontrei uma carne tão bem preparada e até então é o único lugar onde o ponto veio certo todas as vezes, não posso dar menos que 9.

De entrada eu recomendo o tutano com tartare (R$ 42), excepcional, e também os croquetes de carne e queijo coalho (R$ 28) com o molho de pimenta servido junto.

Quanto às carnes não tem muito o que recomendar, vai de sua preferência, não tive decepções. Até hoje provei ossobuco com nhoque de batata na manteiga de sálvia (R$ 185 - 3 pessoas), nhoque de batata com ragu de carne (R$ 59), sete de paleta, acém, tomahawk e bife de patinho.

Tenho que ressaltar uma coisa, que poderia até levar a nota para 10, os pratos são todos preparados individualmente, se duas mesas pedem juntar o nhoque, por exemplo, chega na bancada do chef duas panelas, uma para cada mesa, mantendo assim o padrão de qualidade.

Além disso, é notável a diferença de tempo de preparo entre um tomahawk e um nhoque (para quem não sabe o que é tomahawk, que eu carinhosamente chamo de carré de dinossauro, vou postar uma foto abaixo), mas o restaurante planeja o tempo de saída dos pratos para que o mais rápido não tenha que esperar o mais lento, quem nunca recebeu um prato frio e um quente ao mesmo tempo em um restaurante? Aqui nunca vi acontecer, então é um ponto muito positivo para o restaurante.

Orelha de porco frita

Croquetes de carne

Tomahawk

Preparação da carne para servir

PREÇO - 9/10

Para comer carne tem o preço abaixo de concorrentes, que chegam a cobrar o dobro do preço por uma comida inferior.

Contudo, eu acho que o preço das entradas é um pouco puxado, inviabilizando em alguns casos comer entrada e prato principal. Também acho que as sobremesas poderiam ser um pouco mais baratas. Ok um tarte tartin custar R$ 23 (nesse caso não por que é horrível, mas falando genericamente) ou um folhado de banana assada na brasa com creme de cumaru e doce de leite custar R$ 23 (esse sim é muito bom e eu recomendo), mas é caro pagar os mesmos R$ 23 por um pudim ou um sagu.

CARDÁPIO - 10/10

O cardápio é perfeito, bem pensado, com congruência entre os pratos.

Tem cortes mais e menos gordurosos, métodos de preparo para todos os gostos, opções de massa, pratos vegetarianos, peixe, cordeiro, porco etc.

Tem boas opções de entrada, tanto para comer individualmente com garfo ou comer com as mãos e compartilhar na mesa.

Bons acompanhamentos, acho que carnes não pedem mais do que isso, e um cardápio suficientemente grande de sobremesas, fugindo um pouco do eixo petit gateau - panna cotta - sorvete - brownie que vemos muito por aí.

Entradas

Orelha de porco frita - R$ 23

Timo na grelha - R$26

Croquete de carne e queijo coalho - R$ 26

Cruda piemontês com fondutta e alcaparras - R$ 38

Dadinhos de piemontês com molho teriyaki e shiitake - R$ 38

Steak tartare de piemontês com salada de folhas verdes e farofa de pão toscano - R$ 42

Tutano com tartare - R$ 42

Principais

Sete de paleta

Bife de patinho

Coxão mole

Carré de cordeiro

Vaca velha nelore

Short rib

Acém

Bisteca fiorentina

Tomahawk

Nhoque de batata com ragu de carne - R$ 59

Boeuf Bourguignon - R$ 69

Carne de fumeiro com farofa de alho - R$ 69

Ossobuco com nhoque de batata na manteiga de sálvia - R$ 185

Tagliata de piemontês com rúcula e grana padano - R$ 65

Lula recheada com morcilla e ratatouille de legumes - R$ 61

Pirarucu na grelha com ceviche de banana-da-terra e purê de cenoura - R$ 65

Peito de boi (brisket) braseado com agrião, cebola e cenouras na grelha - R$ 55

Leitão confitado com purê de batatas e farofa de pimenta de cheiro - R$ 72

Cordeiro braseado com legumes - R$ 72

Acompanhamentos

Arroz - R$ 11

Feijão preto - R$ 11

Salada de folhas verdes - R$ 15

Farofa - R$ 15

Vinagrete - R$ 10

Legumes assados - R$ 23

Purê de batatas - R$ 18

Mandioca frita - R$ 18

Pupunha salteada na manteiga com cebola e tomate cereja - R$ 30

Batatas fritas - R$ 18

Sobremesas

Pudim - R$ 23

Sagu com vinho tinto e creme inglês - R$ 23

Fruta da estação - R$ 15

Tartelette de chocolate - R$ 23

Tarte tartin de maçã com creme de gengibre e canela - R$ 23

Folhado de banana assada na brasa com creme de cumaru e doce de leite - R$ 23

NOTA GERAL - 9/10

Pelo conjunto da obra, a melhor opção para se comer carne em São Paulo. Não estou comparando com churrascarias, pois acho que é outra categoria, mas sim com Pobre Juan, Rubaiyat, Figueira, Barbacoa, dentre outros.

#sãopaulo #restaurante #carnes

POSTS RECOMENDADOS